A Patologia CSPO

Autor: Marty Cagan | Traduzido por: Victor Siqueira

Definição de Patologia: desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial. - fonte: Oxford Languages


Bom avisar que este, e meu próximo artigo, serão leituras pesadas. Foi bem difícil escrever, e acredito que para muitos de vocês será difícil ler. Mas no meu ponto de vista, nós como indústria (de produtos digitais) estamos sofrendo uma pandemia, mas, diferente do COVID, essa não tem vacina.


Tenho investido meu tempo trabalhando para diminuir o gap entre a forma de trabalho das Melhores empresas de produto em comparação ao Resto. Não é segredo que a maioria dos times de produto e empresas de produto no mundo (o Resto) não são fortes na cultura de produto. A maioria não é Empoderada, a maioria dos talentos são subutilizados, e a maioria das empresas possui Product Managers que na verdade são administradores de backlog e gerentes de projetos com “super salários”. Tenho escrito bastante sobre as várias formas de times de produtos fracos e Product Managers fracos - especialmente no artigo Time de Produto vs Time de Funcionalidades, product vs. project teams (sem tradução pelo time da PG) e product vs. delivery teams (sem tradução pelo time da PG).


Apesar desses artigos descreveram comportamentos e formas de trabalhar problemáticas, eles não rastreiam a questão mais fundamental do por quê?


O que eu quero explicar de forma específica é porque a nossa indústria tem uma alta quantidade de Product Managers e Líderes de Produto fracos.


Quando digo “fracos” me refiro às pessoas que não entendem como deveriam fazer seu trabalho, ou por qualquer razão não são capazes de fazer seu trabalho.


Ao meu ver, embora haja muitos motivos, há duas patologias muito claras e distintas para acarretar na existência desses PMs e líderes de produto fracos. Neste artigo, discutirei a primeira patologia e, no próximo artigo, abordarei a segunda.


A Patologia CSPO


A patologia que se espalha mais rápido ao meu ver, especialmente fora dos Estados Unidos, são pessoas confundindo Product Owner (papel de um time de delivery Ágil) com Product Manager (uma das três competências de um verdadeiro time de produto).


Até onde sei tem um pouco mais de 100.000 pessoas que se tornaram Certified Scrum Product Owners (CSPO). Nada de errado com isso. Na verdade, eu já encorajei inúmeros PMs a fazer esse treinamento. Mas minha experiência empírica é que para vasta maioria dessas pessoas o curso CSPO foi o único treinamento formal em sua preparação para o cargo de Product Manager.


E ainda tem mais, a pessoa que aplicou o treinamento de como ser Product Owner quase nunca é alguém com experiência de ser um Product Manager de uma Empresa com cultura de Produto forte. Quando ainda pode ser pior, as pessoas que aplicam o treinamento são alguma forma de “Agile Coach” que aplicam diversas certificações de diferentes metodologias Ágeis.


As pessoas estão confundindo os rituais de um processo de Delivery com as habilidades e responsabilidades de um trabalho que é bem mais que isso em uma equipe de produto.


É tão ridículo quanto dizer que você pode treinar algumas pessoas aleatórias em Scrum e esperar que elas estejam preparadas para atuar como bons Engenheiros de Software. Ou esperar que elas sirvam como bons Product Designers.


Claro, se esses aspirantes a Coachs fingissem que seu treinamento poderia preparar um designer ou engenheiro, ninguém se deixaria enganar nem por um minuto. Mas como a função de Produto é tão mal compreendida e como o foco no processo é um caminho tentador, para muitas pessoas e empresas, elas literalmente passaram a acreditar que é isso que Gestão de Produtos deve ser.


E está ficando pior. Algumas dessas pessoas que nunca realmente fizeram o trabalho, ou mesmo o viram bem feito, passaram a escrever livros e artigos sobre Product Ownership e Liderança de Produtos, conduzir conferências de produtos e até mesmo iniciar suas próprias escolas de produto e “product-management certification programs.”


Agora, isso seria apenas um problema irritante, mas de menor importância, se os Gestores dos PMs estivessem treinando e desenvolvendo seu pessoal, como deveriam estar fazendo. Mas o problema em muitas empresas é que muitos desses gerentes nunca fizeram o trabalho de PMs sozinhos, ou mesmo o viram bem feito. Então, são forçados a depender mais do treinamento CSPO do que de outra coisa.


Claro, existem exceções. Por exemplo, há muito tempo incentivo as pessoas a obterem seu treinamento em CSPO com Jeff Patton, porque sei que ele sabe a diferença. E já encontrei mais alguns poucos que sabem o que estão fazendo. Mas a maioria não, pelo menos se você concorda com a minha opinião sobre o quem sabe o quê.


Nos últimos anos, pouco a pouco, mas consistentemente, tem aumentado o volume desse problema, mas há uma indústria tão arraigada neste ponto que parece haver uma resistência real em reconhecer a seriedade e a abrangência desse problema. Mas a solução para isso não é tão difícil. Enviar PMs para um curso de CSPO é bom, mas de forma alguma é um substituto para o treinamento como PM.


Então, como treinar o seus Product Managers para serem capazes de fazer o trabalho de produto?


Nossa primeira escolha é sempre que uma pessoa no cargo de Gerente treine e desenvolva seus próprios PMs. Mas isso pressupõe que ela mesmo tenha sido um/uma PM forte e experiente. Do contrário, pode-se recorrer a um Coach comprovado de Produto ou de Discovery. Ou um PM sênior forte na cultura de produto pode ajudar no coach dessa pessoa.


Caso contrário, existem boas opções onde você pode enviar seus PMs para um treinamento real de gerenciamento de produto. Apenas certifique-se de fazer uma boa pesquisa e de que o instrutor específico seja um PM com experiência comprovada ou, de preferência, um líder de produto comprovado, com experiência real de uma empresa de produtos forte.


Infelizmente, a patologia CSPO continua a se espalhar e continua a gerar novas variantes, algumas das quais são ainda mais mortais para a inovação (por exemplo, SAFe).


Resumo


Para ser claro, não estou argumentando que uma certificação CSPO seja ruim. Eu frequentemente recomendo que os PMs façam esse curso simples para aprender suas responsabilidades como parte de uma equipe ágil. E eu certamente não estou argumentando que o Agile é ruim, já que sou um defensor dos métodos Agile para desenvolvimento de software por quase 20 anos (embora esperemos que todos que estejam lendo isso saibam evitar as falsas bobagens do fake Agile por aí). Meu desejo é que colocar luz sobre esta questão faça com que os líderes reconsiderem as influências sobre o seu pessoal de produto e se eles realmente estão atendendo às suas necessidades. Espero que você decida que prefere se juntar às melhores empresas.


Gostaria de agradecer a Chris Jones, Jeff Patton e Marcus Castenfors por sua revisão dos rascunhos deste artigo.

Artigo Original: https://bit.ly/3cykaNE